A Decalogue: The Ten Theses of American Empire-Building: A Dialogue | Global Research

https://www.globalresearch.ca/a-decalogue-the-ten-theses-of-american-empire-building-a-dialogue/5650251

Introdução

Poucos, se houver, acreditam no que ouvem e lêem de líderes e publicitários da mídia. A maioria das pessoas prefere ignorar a cacofonia de vozes, vícios e virtudes.

Este artigo fornece um conjunto de teses que pretende estabelecer as bases para um diálogo entre os que optam por se abster de eleições com a intenção de envolvê-los na luta política.

Tese 1

EUA construtores de império de todas as cores e práticas de persuasão táticas de burro; Acenando a cenoura e empunhando o chicote para mover o governo alvo no caminho escolhido.

Da mesma forma, Washington oferece concessões duvidosas e ameaça represálias, a fim de movê-las para a órbita imperial.

Washington aplicou a tática com sucesso em vários encontros recentes. Em 2003, os EUA ofereceram ao governo líbio deMuammar Gaddafi uma acomodação pacífica em troca do desarmamento, do abandono dos aliados nacionalistas no Oriente Médio, na África e na Ásia.Em 2011, os EUA e seus aliados europeus aplicaram a Líbia bombardeada por chicotadas, forças tribais e terroristas retrógradas armadas e financiadas, destruíram a infraestrutura, assassinaram Gaddafi e arrancaram milhões de africanos e líbios. . . que fugiu para a Europa.Washington recrutou mercenários para a subsequente guerra contra a Síria, a fim de destruir o regime nacionalista de Bashar Assad.

Washington conseguiu destruir um adversário, mas não estabeleceu um regime fantoche em meio ao conflito perpétuo.

A cenoura do império enfraqueceu seu adversário, mas a vara não conseguiu recolonizar a Líbia. Além disso, seus aliados europeus são obrigados a pagar o custo multibilionário de euros de absorver milhões de imigrantes desenraizados e a consequente turbulência política doméstica.

Tese 2

A proposta dos construtores do império para reconfigurar a economia a fim de recuperar a supremacia imperial provoca inimigos domésticos e estrangeiros.O presidente Trump lançou uma guerra comercial global, substituiu a acomodação política por sanções econômicas contra a Rússia e uma agenda protecionista doméstica e reduziu drasticamente os impostos corporativos. Ele provocou um conflito de duas frentes. No exterior, ele provocou a oposição dos aliados europeus e da China, enquanto enfrentava o assédio perpétuo dos globalistas do mercado livre doméstico e das elites políticas e ideologias russofóbicas.

Dois conflitos na frente raramente são bem sucedidos. O imperialista mais bem sucedido conquista adversários por sua vez – primeiro um e depois o outro.

Tese 3

Os esquerdistas frequentemente invertem o rumo: são radicais fora do escritório e reacionários no governo, eventualmente caindo entre as duas cadeiras. Assistimos ao fenomenal colapso do Partido Social-Democrata Alemão, do Partido Socialista Grego (PASOK) (e sua nova versão Syriza) e do Partido dos Trabalhadores no Brasil.Cada um atraiu apoio de massa, ganhou eleições, formou alianças com banqueiros e a elite empresarial – e, diante de suas primeiras crises, são abandonados pela população e pela elite.

As elites perspicazes mas desacreditadas freqüentemente reconhecem o oportunismo da esquerda, e em tempos de aflição, não têm problema em colocar temporariamente em pé a retórica e as reformas da esquerda, desde que seus interesses econômicos não sejam comprometidos. A elite sabe que o sinal esquerdo saiu e vire à direita.

Tese 4

Eleições, mesmo aquelas ganhas por progressistas ou esquerdistas, freqüentemente se tornam trampolins para os golpes apoiados pelo império.



Durante a última década, os presidentes recém-eleitos, que não estão alinhados com Washington, enfrentam impeachment no Congresso e / ou no Judiciário por acusações falsas. As eleições fornecem um verniz de legitimidade que falta um golpe militar direto.

No Brasil, no Paraguai e na Venezuela, “legislaturas” sob a tutela dos EUA tentaram derrubar o presidente popular. Eles conseguiram no primeiro e falharam no último.

Quando a máquina eleitoral falha, o sistema judicial intervém para impor restrições aos progressistas, com base na interpretação tortuosa e complicada da lei. Os esquerdistas de oposição na Argentina, Brasil e Equador foram perseguidos pelas elites do partido no poder.

Tese 5

Até mesmo líderes malucos falam a verdade ao poder. Não há dúvida de que o presidente Trump sofre um sério distúrbio mental, com explosões de meia-noite e ameaças nucleares contra todos, desde figuras de esportes filantrópicas de classe mundial (LeBron James) até a OTAN, respeitando os aliados da UE.

No entanto, em sua loucura, o presidente Trump denunciou e expôs os repetidos enganos e invenções contínuas da mídia de massa. Nunca antes um presidente identificou com tanta força as mentiras das principais emissoras de mídia impressa e televisiva. O NY Times, o Washington Post, o Financial Times, a NBC, a CNN, a ABC e a CBS foram totalmente desacreditados aos olhos do grande público. Eles perderam legitimidade e confiança.Onde os progressistas falharam, um comerciante de guerra, bilionário, realizou, falando uma verdade para servir muitas injustiças.

Tese 6

Quando um latido se transforma em uma mordida, Trump prova a verdade caseira de que o medo convida à agressão.Trump implementou ou ameaçou severas sanções contra a UE, a China, o Irã, a Rússia, a Venezuela, a Coréia do Norte e qualquer país que não se submeta a seus ditames. No começo, foi bombástico e arrogante que garantiu concessões.

As concessões foram interpretadas como fraquezas e convidaram a maiores ameaças. A desunião dos oponentes encorajou os táticos imperiais a dividir e conquistar. Mas ao atacar todos os adversários simultaneamente, ele enfraquece essa tática.Ameaças em todos os lugares limitam as opções para opções perigosas em casa e no exterior.

Tese 7

Os intrometidos dominantes, de todos os tempos, na política dos estados soberanos são os construtores anglo-americanos do império.Mas o que é mais revelador é o atual plano de acusar as vítimas dos crimes cometidos contra eles.

Após a derrubada do regime soviético, os EUA e seus acólitos europeus se “intrometeram” em uma escala histórica mundial, saqueando mais de dois trilhões de dólares em riqueza soviética e reduzindo em dois terços a vida russa e a expectativa de vida para menos de sessenta anos. nível de Bangladesh.

Com o ressurgimento da Rússia sob o governo do presidente Putin, Washington financiou um grande exército de “organizações não-governamentais” (ONGs) para organizar campanhas eleitorais, recrutou líderes na mídia de massa e dirigiu levantes étnicos. Os russos são intermediários de varejo em comparação com as operadoras norte-americanas de muitos bilhões de dólares.

Além disso, os israelenses aperfeiçoaram a intromissão em grande escala – eles intervêm com sucesso no Congresso, na Casa Branca e no Pentágono. Eles definem a agenda, o orçamento e as prioridades do Oriente Médio e garantem as maiores doações militares em uma base per capita na história dos EUA!

Aparentemente, alguns intrometidos se intrometem por convite e são pagos para fazê-lo.

Tese 8

A corrupção é endêmica nos EUA, onde tem status legal e onde dezenas de milhões de dólares mudam de mãos e compram pessoas do Congresso, presidentes e juízes.

Nos EUA, os compradores e corretores são chamados de “lobistas” – em todos os lugares eles são chamados de fraudadores. Corrupção (lobbying) engorda as rodas de bilhões de dólares em gastos militares, subsídios tecnológicos, corporações que evitam impostos e todas as facetas do governo – a céu aberto, o tempo todo e o lugar do regime dos EUA.

Corrupção como lobby nunca evoca a menor crítica da mídia de massa.

Por outro lado, onde a corrupção ocorre sob a mesa no Irã, China e Rússia, a mídia denuncia a elite política – mesmo onde na China mais de 2 milhões de funcionários, altos e baixos, são presos e presos.

Quando a corrupção é punida na China, a mídia dos EUA afirma que é apenas uma “limpeza política”, mesmo que reduza diretamente o consumo conspícuo da elite.

Em outras palavras, a corrupção imperial defende o valor democrático; o combate à corrupção é uma marca registrada das ditaduras autoritárias.

Tese 9

Pão e circo são partes integrantes da construção do império – especialmente na promoção de multidões de rua urbanas para derrubar governos independentes e eleitos.

Multidões financiadas pelo Império – desde a cobertura dos golpes apoiados pela CIA no Irã (1954), Ucrânia (2014), Brasil (1964), Venezuela (2003, 2014 e 2017), Argentina (1956), Nicarágua (2018), Síria (2011) e Líbia (2011) entre outros lugares e outros tempos.

Missas para o império atraem combatentes de rua pagos e voluntários que falam pela democracia e servem a elite. A “cobertura de massa” é especialmente eficaz no recrutamento de esquerdistas que buscam opiniões na rua e ignoram as suítes que dão as cartas.

Tese 10

O império é como um banquinho de três pernas que promove o genocídio, para garantir o magnicídio e governar por homicídio.Invasões matam milhões, capturam e matam governantes e depois governam por homicídio – a polícia assassina cidadãos dissidentes.

Os casos estão prontamente disponíveis: o Iraque e a Líbia vêm à mente. Os EUA e seus aliados invadiram, bombardearam e mataram mais de um milhão de iraquianos, capturaram e assassinaram seus líderes e instalaram um estado policial.

Um padrão semelhante ocorreu na Líbia: os EUA e a UE bombardearam, mataram e desenraizaram vários milhões de pessoas, assassinaram Ghadaffy e fomentaram uma guerra de clãs, tribos e fantoches ocidentais.

“Valores ocidentais” revelam a desumanidade de impérios construídos para assassinar “à la carte” – despojando as nações vítimas de seus defensores, líderes e cidadãos.

Conclusão

As dez teses definem a natureza do imperialismo do século XXI – suas continuidades e novidades.

A mídia de massa escreve sistematicamente e fala mentiras ao poder: sua mensagem é desarmar seus adversários e despertar seus patronos para continuar saqueando o mundo.

*

O professor James Petras é um pesquisador associado do Center for Research on Globalization.