A Mentalidade Delirante Sionista – Sami, O Beduíno.

The zionist Delusional Mentality

Fatos Históricos:

Primeiro, vamos estabelecer o fato de que a Palestina (mesmo de acordo com a Torá e Literatura Judaica) nunca foi a terra natal dos judeus. Se os judeus antigos invadiram a Palestina como imigrantes do Iraque junto com seu antepassado Abraão, ou do Egito junto com seu Moisés, ou mesmo da África profunda onde seu suposto êxodo começou originalmente, os antigos judeus nunca foram nativos da Palestina.

Agora, se você quiser acreditar em antigos contos de fadas talmúdicos do Moisés febril que Jeová (o judeu) de repente estourou seus olhos no deserto do Sinai para dar (a já habitada) Palestina para os “pobres escravos” do Egito, é seu problema, mas isso não tem nada a ver com a realidade ou a história: os antigos judeus (assim como os modernos invasores europeus) nada mais são do que colonizadores de uma terra que nunca foi sua terra natal.

nativos 1

É desnecessário dizer que historicamente os cananeus, Jebosites (de Jerusalém), os Hittits (de Hebron); os amorreus de Schem e o resto das sete tribos de nações são os habitantes originais da Palestina que habitaram esta terra por milhares e milhares de anos antes da antiga invasão judaica. É desnecessário dizer que os nativos da Palestina são aqueles que construíram as antigas cidades (cidades) da Palestina como Jerusalém, Hebron, Jericó, Schem / Nablus e o restante dos bairros e vilarejos palestinos-cananeus.É desnecessário afirmar o fato de que os jebitas nativos de Canaã / Palestina construíram Jerusalém com seu templo pagão cerca de 1.500 anos antes de qualquer judeu pisar esta terra.

Jebus

Está claro na Torá (Jeová dirigindo-se a Moisés) fala sobre a terra “deles” (as outras nações), mas não “a sua” ou a terra dos judeus. E que os judeus tiveram que lutar contra os nativos daquela terra, e até mesmo aniquilar aqueles nativos (de acordo com as ordens do judeu Jeová), o que eles não puderam, como ficou claro no Novo Testamento que os nativos da Palestina ( os cananeus) acreditavam em Jesus e ficavam em suas terras, enquanto os judeus não, mas conspiravam contra ele e o acusavam de blasfêmia. e foram subseqüentemente expulsos da terra.A justificação sionista-judaica:Mas como os antigos (assim como os modernos) invasores da Palestina justificam seu roubo de terras e crimes sangrentos contra os nativos, incluindo o genocídio? Há duas palavras-chave que podem esclarecer o modo de pensar delirante sionista, essas duas palavras são a “terra prometida” e “Amalek”

papp

“Terra prometida” ou “Deus nos deu a terra” são as primeiras palavras que os modernos colonizadores sionistas usam para justificar sua limpeza étnica dos nativos e seus crimes em curso. Quer você acredite ou não nas suas heresias Torácicas, quer o colonizador sionista na Palestina fosse ultra religioso ou de extrema esquerda, quer ele fosse um sionista brutal ou uma “pomba da paz”, nenhum deles pode justificar sua mera existência. na Palestina, a não ser através desta palavra mágica da “terra prometida”. Jeová Yehwah, YHWH, Elohim, Hashemor “deus” são todos os vários nomes para o mesmo “deus” judaico / ou um arbusto, que bateu a cabeça no deserto do Sinai para conversar com o Moisés febril ou mentalmente doente para lhe dar uma terra que nunca foi uma terra judaica antes que o arbusto falasse de repente.

talmud

A “aniquilação dos amaleques” (os nativos da Palestina) é a segunda palavra-chave que a mentalidade sionista-judaica usa para justificar os atos criminosos. O Amalek e a necessidade de combatê-los e aniquilá-los são amplamente discutidos entre os círculos religiosos judaicos, que se referem a todos os não-judeus, especialmente os nativos da Palestina em particular. Para ganhar um motivador sagrado para o projeto colonial sionista, as referências judaicas têm que demonizar o nativo palestino (ou qualquer possível adversário do projeto colonial sionista), os círculos religiosos judaicos atribuem a natureza (amalequita) para justificar Toraticamente a aniquilação.Agora, acredite ou não, a Palestina se tornou a “pátria judaica” e todos aqueles que se opõem a essa heresia ou quando os nativos lutam por seus lares roubados, então eles são demonizados como amalequitas “anti-semitas” que deveriam ser aniquilados por ordens diretas do judeu Jeová.

Sami, o beduíno

Publicado por MarcFlav

um esquizoide da raça dos indignados, denunciando obscenidades na web.

%d blogueiros gostam disto: