MoA – O fim do sistema “ocidental”

https://www.moonofalabama.org/2019/04/the-demise-of-the-western-system.html

O fim do sistema “ocidental”

Um avião de caça americano queevita o radar finalmente evita o radar:

A Força Aérea de Autodefesa do Japão informou que um jato de combate F35A desapareceu do radar sobre o mar da Prefeitura de Aomori, norte do Japão, por volta das 19h30 de terça-feira, horário do Japão. Autoridades da ASDF disseram que a aeronave decolou da base aérea de Misawa por volta das 19h e desapareceu em um ponto a cerca de 135 quilômetros a leste da cidade de Misawa.

Isso novamente prova que Donald Trump está certo :

“Trabalho incrível … tão incrível que estamos encomendando centenas de milhões de dólares de novos aviões para a Força Aérea, especialmente o F-35. Você gosta do F-35? … você não pode vê-lo. Você literalmente não pode É difícil enfrentar um avião que você não pode ver “, disse Trump em outubro.

Ou ele é?

O F-35 pode ter boa eletrônica, mas não é um bom avião para voar contra qualquer competidor competente. A versão da Marinha, que pode decolar e pousar verticalmente, é um remake do Yakovlev 141 soviético que voou pela primeira vez em 1989 (vid). As versões derivadas da Força Aérea e da Marinha não têm as capacidades de decolagem e aterrissagem verticais, mas herdaram as desvantagens que o design básico traz consigo. A furtividade do F-35não funciona contra os radares modernos:

Para derrubar o F-35, é necessário ter duas bandas diferentes de radar, bons algoritmos de fusão de sensores e protocolos decentes de processamento de sinais e voila.S-300 PMU2 Favorit pode fazer isso, certamente S-400, e suas inevitáveis iterações para as quais há literalmente uma linha de clientes, podem. Em geral, todo esse BS sobre “stealth” deve terminar em algum ponto do tempo – foi uma boa propaganda enquanto durou. A realidade é que, com o poder de processamento moderno e o design de radar, o F-35 não pode sobreviver contra as modernas forças de defesa aérea e aérea.

O presidente turco Erdogan sabe disso. É por isso que ele não é dissuadido pelas ameaças dos EUA de não vender os F-35 para ele enquanto compra sistemas de defesa aérea russos. Ele apenas voou para Moscou para discutir outras aquisições que provavelmente incluirão um caça russo projetado:

Os dois lados devem “fortalecer a cooperação na esfera técnico-militar”, disse Putin a Erdogan quando se encontraram no Kremlin. “Eles consideram, em primeiro lugar, a conclusão do contrato para fornecer sistemas de mísseis antiaéreos S-400 para a Turquia”, disse ele. Há outros projetos promissores na agenda relacionados ao fornecimento de produtos militares modernos russos à Turquia “, acrescentou Putin.

Os EUA não mais constroem armas capazes. Como Ian Welsh escreveu ontem na América: um estado falido:

Os militares dos EUA estão mostrando sinais de serem incapazes de criar equipamentos militares avançados eficazes: como no caso do F-35, que basicamente não pode voar. Está mostrando sinais de intensa incompetência, como quando permite que vários aviões sejam destruídos no solo por um furacão, em vez de fazê-los cair sob cobertura efetiva.

Outros exemplos da incompetência do design militar dos EUA são os Navios de Combate Litorais, que são essencialmente barcos rápidos desarmados . Os destruidores de classe DDG-1000 Zumwalt “furtivos” deveriam apoiar as tropas terrestres com suas armas de longo alcance.Construídos a US $ 4 bilhões por peça, os navios estão perdendo suas armas porque a munição acabou sendo muito cara para comprar. Antes disso, eles perderam muito de suas capacidades de stealth porque algum equipamento de comunicação necessário foi deixado de fora do projeto original.A nova tarefa dos navios será a de uma plataforma de lançamento de mísseis, um trabalho que qualquer navio comercial, transportando mísseis russos em contentores(vid), também pode cumprir.

Ian aponta que a falta de competência militar é apenas um sintoma. O problema real é muito mais profundo:

Os EUA são um monte de lixo manchado de ouro rolar lentamente em direção ao oceano. Em chamas.

Há muita ruína em uma nação, mas há quase 40 anos as elites americanas trataram os EUA como algo a saquear, e assumiram que os bons tempos continuariam rolando . Eles estavam desinteressados em realmente governar. Eles ficaram felizes em transferir grande parte da produção norte-americana para o exterior, para o país mais provável para substituir a América como um hegemon, porque os chineses eram espertos o suficiente para tornar as elites americanas ricas.

A União Europeia sofre problemas semelhantes. Brexit é apenas um sintoma de sua morte.

Alastair Crooke acha que o sistema “ocidental” em geral estádesmoronando :

Onde quer que se olhe, é evidente que as elites do Establishment do pós-guerra estão no backfoot.Eles mantêm uma altivez panglossiana estudada.

Mais fundamentalmente, a pergunta raramente é feita: a América pode realmente ser ótima novamente (MAGA), seus militares totalmente renovados e sua infra-estrutura civil reformada, ao partir de uma posição hoje (até o momento) onde seu déficit de Receita federal para despesas é de 30%;onde sua dívida agora é tão grande que os EUA só podem sobreviver reprimindo novamente as taxas de juros para um (zumbilante) próximo de zero? E mais uma vez, é realmente viável forçar os empregos industriais a voltarem para uma base de alto custo nos Estados Unidos, a partir do seu baixo custo na Ásia – contra o pano de fundo de uma América progressivamente “mais cara”, através de sua política monetária bloqueada. políticas inflacionárias – exceto pela queda do valor do dólar para tornar essa plataforma de base de alto custo globalmente competitiva novamente? O MAGA é realista?ou será que a retomada de empregos de volta para os EUA do mundo de baixo custo acabará provocando a própria recessão que os Bancos Centrais tanto temem?E como as elites do pós-guerra na América e na Europa se tornam cada vez mais desesperadas para manter a ilusão de ser a vanguarda da civilização global, como elas vão lidar com o reaparecimento de um ‘Estado-civilização’ por direito próprio: ie China?

Recentemente, re-assisti o recorde da série chinesa Story of Yanxi Palace (vid). É, em todos os aspectos, melhor do que qualquer coisa que Hollywood produz. Tais produtos culturais são o próximo reino onde a China vencerá o ‘oeste’ por uma larga margem.

As elites “ocidentais” a arrastaram para baixo. Não é mais superior.Algo terá que dar.

Postado por b em 9 de abril de 2019 às 12:55 | Permalink

Comentários

A U.S. made fighter jet that is claimed to evade radar, finally evades radar:

Japan’s Air Self-Defense Force says an F35A fighter jet disappeared from radar over the sea off Aomori Prefecture, northern Japan, at around 7:30 p.m. Tuesday, Japan Time.

ASDF officials said the aircraft took off from Misawa air base at around 7:00 p.m., and disappeared at a point about 135 kilometers east of Misawa City.

This again proves that Donald Trump is right:

“Amazing job … so amazing we are ordering hundreds of millions of dollars of new planes for the Air Force, especially the F-35. You like the F-35? … you can’t see it. You literally can’t see it. It’s hard to fight a plane you can’t see,” Mr Trump said in October.

Or is he?

The F-35 may have some good electronics but is not a good plane to fly against any competent competitor. The Marine version which can take off and land vertically, is a remake of the Soviet Yakovlev 141 which first flew in 1989 (vid). The derived Air Force and Navy versions do not have the vertical take off and landing capabilities, but inherited the disadvantages the basic design brings with it. The F-35’s stealth does not work against modern radar:

[T]o shoot down F-35 one has to have two different bands radar, good sensor-fusion algorithms and decent signal processing protocols and voila’. S-300 PMU2 Favorit can do this, certainly S-400, and its inevitably coming iterations for which there is literally a line of customers, can. In general, this whole BS about “stealth” should end at some point of time–it was a good propaganda while it lasted.Reality is, with modern processing power and radar design F-35 is not survivable against modern cutting edge air-defense and air-forces.

The Turkish President Erdogan knows this. That is why he is not deterred by U.S. threats to not sell F-35s to him while he buys Russian air defense systems. He just flew to Moscow to discuss futher purchases which will likely include a Russian designed fighter:

The two sides must “strengthen cooperation in the military-technical sphere,” Putin told Erdogan as they met in the Kremlin. “These regard first of all the completion of the contract to supply S-400 anti-aircraft missile systems to Turkey,” he said. “There are other promising projects on the agenda related to the supply of modern Russian military products to Turkey,” Putin added.

The U.S. no longer builds capable weapons. As Ian Welsh wrote yesterday in America: A Failing State:

The US military is showing signs of being unable to create effective advanced military equipment: as with the F-35, which basically can’t fly. It is showing signs of intense incompetence, as when it let multiple planes be destroyed on the ground by a hurricane rather than, uh, fly them out or get them under effective cover.

Other examples of the incompetence of U.S. military design are the Littoral Combat Ships, which are essentially unarmed fast boats. The “stealth” DDG-1000 Zumwalt class destroyers were supposed to support ground troops with their long range guns. Built at $4 billion a piece the ships are now losing their guns because the ammunition turned out to be too expensive to buy. Before that they lost much of their stealth capabilities because some necessary communication equipment was left out of the original design. The ships new task will be that of a missile launch platform, a job that any commercial ship, carrying containerized Russian missiles (vid), can likewise fulfill.

Ian points out that the lack of military competence is just a symptom. The real problem sits much deeper:

The US is a gold flecked garbage heap slowly rolling towards the ocean. On fire.

There is a lot of ruin in a nation, but for almost 40 years now America’s elites have treated the US as something to loot, and assumed that the good times would keep rolling. They were uninterested in actually governing. They were happy to move much of America’s core manufacturing overseas, to the most likely nation to replace America as a hegemon, because the Chinese were smart enough to make American elites rich.

The European Union suffers similar problems. Brexit is just one symtom of its demise.

Alastair Crooke thinks that the ‘western’ system at large is crumbling down:

Wherever one looks, it is evident that the post-war Establishment élites are on the backfoot. They maintain a studied panglossian hauteur.

More fundamentally, the question is rarely asked: can America truly Be Made Great Again (MAGA), its military totally renewed, and its civil infrastructure refurbished, when starting out from a position today (year to date) where its shortfall of Federal revenue to expenditure is 30%; where its debt is now so great that the US may only survive by again repressing interest rates to a (zombifying) near zero?

And again, is it truly feasible to force manufacturing jobs back to a high-cost base America, from their low-cost, offshoring in Asia – against the backdrop of an America made progressively ‘higher-cost’, through its locked-in monetary inflation policies – except by crashing the value of the dollar to make this high cost base platform globally competitive again? Is MAGA realistic; or will the re-capture of jobs back to the US from the low-cost world end by triggering the very recession which the Central Banks so fear?

And as the post-war élites in America and Europe become more and more desperate to maintain the illusion of being the vanguard of global civilisation, how will they cope with the re-appearance of a ‘civilization-state’ in its own right: i.e. China?

I recently re-watched the record breaking Chinese series Story of Yanxi Palace (vid). It is in all aspects better than anything Hollywood produces. Such cultural products are the next realm where China will beat the ‘west’ by a large margin.

The ‘western’ élites dragged it down. It is no longer superior. Something will have to give.

Posted by b on April 9, 2019 at 12:55 PM | Permalink

Publicado por MarcFlav

um esquizoide da raça dos indignados, denunciando obscenidades na web.

%d blogueiros gostam disto: